quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Em família: conversando sobre dinheiro



Você conversa abertamente sobre dinheiro com seu marido ou esposa, com seus filhos, com seus pais? Infelizmente, não é sempre que a gente se sente confortável em se abrir com relação às nossas dificuldades, sonhos e projetos.

A falta de diálogo sobre o tema dificulta a construção da riqueza familiar e afeta relações. Vivendo sob o mesmo teto, as pessoas geram gastos e, quando elas não participam da organização financeira, fica mais fácil perder o controle. A consequência, em algumas situações, é o endividamento de quem banca a conta. Em outras, é a impossibilidade de guardar dinheiro. Em ambos os casos, fica impossível realizar sonhos como comprar ou reformar a casa, ter uma reserva para emergências, fazer uma faculdade e por aí vai.

Pesquisas mostram que o dinheiro é a principal causa de brigas, separações e conflitos dentro de casa. Quando esses sonhos são compartilhados com os filhos e parceiros e todos têm a responsabilidade de zelar pelo orçamento familiar, há um empenho coletivo para que os projetos se concretizem. Por isso, aproveite este dia 8 de dezembro, quando é comemorado o Dia da Família no Brasil, e comece a colocar o tema na roda! Veja algumas dicas:

1. Organize os gastos e as receitas da casa. Use um aplicativo, caderno ou planilha de orçamento doméstico que você pode encontrar gratuitamente na internet, como esta aqui do IDEC (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor). Anote todas as despesas e as receitas e feche as contas para saber como anda a saúde financeira de sua família.

2. Vamos conversar? Chame uma reunião de família para falar sobre as finanças. Não deixe as crianças de fora. Mesmo que num primeiro momento elas não entendam muito bem o que está em discussão, é fundamental que elas sejam envolvidas desde cedo. A conversa deve ser leve e descontraída, para que todos se sintam à vontade para contribuir.

3. Envolva e inspire. Explique o objetivo da conversa e mostre a importância de todos participarem das decisões para que um determinado objetivo seja alcançado. Se você tem dívidas, explique a situação e peça opiniões sobre como resolver. Faça perguntas: O que podemos fazer para pagar as parcelas atrasadas? Quais despesas a gente pode cortar? Podemos gastar menos na conta de água e luz? E se a gente vender o carro? Ideias para gerar renda extra também podem ser bem-vindas.

4. Defina objetivos. A partir dessa conversa inicial, definam juntos alguns objetivos para o próximo mês. Por exemplo: reduzir R$ 50,00 por semana nas compras do supermercado, cortando alguns itens dispensáveis, diminuir o pacote da TV a cabo e assim por diante. Conversem, também, sobre sonhos e planos para o futuro.

5. Distribua tarefas. Compartilhe a organização financeira com a família. Os adolescentes podem, por exemplo, ficar com a responsabilidade de guardar as notas de compras para lançar na planilha. As crianças, de organizar as datas de vencimento das contas. É essencial que todos participem das tarefas.

6. Incorpore à rotina. Reúna a família todo mês para acompanhar como as coisas têm andado e o que pode ser feito para melhorar. Usando as anotações do orçamento como referência, mostre o que aconteceu no mês e estimule novas ideias para continuar gastando menos e poupando mais.
Aproveite e faça o teste para descobrir se o seu relacionamento está indo em direção à riqueza ou à falência. Conheça, também, o site Valores, Dinheiro & Eu, voltado à educação financeira de crianças de 6 a 12 anos.


Fonte:http://www.serasaconsumidor.com.br/educacao/em-familia-conversando-sobre-dinheiro/?utm_source=crm&utm_medium=email&utm_content=materia1&utm_term=G24_M_MA_1&utm_campaign=543_normal_20161206

É hora de sorrir um pouco - Veja o vídeo